O Incrível E Subestimado Hulk

Na nossa segunda Etapa da Maratona Pré Vingadores Guerra Infinita é hora de relembrar o filme do Gigante Esmeralda. Filme esse normalmente esquecido e Subestimado pelo público.

Depois da má aceitação do filme do Hulk de 2003, A Universal, detentora dos direitos Cinematográficos do Golias Esmeralda fez uma parceria com a Marvel que estava começando a estruturar seu Universo Cinematográfico e, ainda em 2008 foi lançado O Incrível Hulk.

O filme já começa com um acerto: Relembra a origem do personagem durante os créditos iniciais. Todo Mundo conhece a história. Não precisam gastar 40 minutos de filme pra recontá-la novamente. Nesse curto espaço já ficamos sabendo tudo que precisamos. E outras coisas serão apresentadas em forma de diálogos ao longo do filme. Simples e bem feito.

Diferente do Hulk de 2003 que apostou em focar num lado mais filosófico e sonolento que não combina com o Hulk(Mesmo já tendo fases nos quadrinhos abordando essa faceta.) Aqui vemos a tentativa do Bruce em se livrar de seu Alter-Ego Verde no início se escondendo no Brasil mas sempre perseguido pelo General Ross que no papel do Exército, quer usar o Hulk como arma. Começa então um jogo de gato e rato…

E vale gastar umas linhas pra comentar o trecho do filme que se passa no Brasil: O que mais chama a atenção é o péssimo Português falado no filme. E não é o tipo de péssimo Português que se escuta normalmente nas Ruas do Brasil. Os caras simplesmente não sabem falar Português. Tanto que quem melhor fala o idioma no filme é o próprio Norton. Ou deveria dizer: “Menos pior”.

  Edward Norton entrega um Bruce Banner competente. Pena que o ator gosta de dar pitaco em tudo e isso não é lá muito apreciado pelos Estúdios. Resultado: O cara acabou recebendo o Bilhete azul. Apesar de que as cenas que ele queria incluir deixava o filme mais arrastado (Como podem ser vistas nas cenas excluídas do Blu-Ray/DVD.) Talvez ele se desse bem na Netflix.

Apesar da edição do filme ter deixado um bom ritmo, algumas das cenas cortadas fizeram falta. O Dr. Samson por exemplo praticamente sumiu do filme. Mas como quase todos os personagens coadjuvantes foram esquecidos em razão de não termos outros filmes, ele acaba não fazendo muito falta.

Foi em Incrível Hulk que ouvimos falar pela primeira vez no soro do Super Soldado. Assim como no Universo Ultimate, a criação do Hulk vem diretamente da tentativa de replicar o Soro. O que acrescenta uma pecinha a mais no quebra cabeça em formação que é o MCU.

Chegamos então ao vilão: O Emil Blonsky do Tim Roth cumpre bem o papel de nêmesis e adversário de porradaria que um filme do Hulk precisa. E pode apostar que temos porradaria. Gosto bastante da luta final desse filme. É uma das minhas preferidas do MCU.

Já vi gente reclamando do CG desse filme. Eu particularmente acho bem competente. Apesar de duas das três grandes cenas envolvendo o Hulk acontecer a noite, recurso usado pra mascarar o CG,  ela é bem equilibrada.Tanto Hulk quanto o Abominável estão bem feitos e não chegam a incomodar. Tem filme mais recente do MCU que acho o CG mais meia boca que esse…Mas deixarei pra comentar quando chegar a hora.

Outro detalhe que gosto desse filme é o fato de fazerem diversas referências à série de TV do Hulk, Cenas de quadrinhos e afins. Se assistir prestando atenção dá pra pegar várias delas como por exemplo a trilha clássica The Lonely Man, Banner pedindo carona os nomes dos dois estudantes que filmam a luta no Campus da Universidade. Enfim. São inúmeras.

Agora sobre o título do Post: Eu realmente acho que esse filme recebe menos créditos do que merece. É um bom filme do personagem. Trabalha com alguns aspectos do Hulk. Abre portas para serem exploradas no futuro… Algo que infelizmente nunca vai acontecer.

Como o filme é praticamente esquecido na mitologia do MCU, Não veremos mais a transformação do Dr. Stern no Líder, ver mais do Abominável… Até a Betty foi limada. Nunca mais se tocou no assunto mesmo com o Hulk por aí em todos os Vingadores. Preferiram apostar naquele relacionamento  forçado do Bruce com a Natasha. Ok. Não vou culpá-lo afinal é a Scarlett Johansson. Mas o Hulk merecia mais um filme solo.

O Incrível Hulk merece mais reconhecimento. Ele é, inclusive na minha nada modesta opinião, melhor que o filme do Thor por exemplo. Mas infelizmente por imbróglios de direitos devemos nos contentar com as participações do personagem em outros filmes.

A cena pós Créditos nos traz mais um vislumbre da vindoura super Equipe que está sendo formada aos poucos. Mas como ela também tem ligação com Homem de Ferro 2, deixarei pra comentar no próximo post.