Os Fugitivos: Os Três Primeiros Episódios.

Estreou ontem, 21 de Novembro Runaways(Ou Fugitivos), a nova série baseada em personagens da Marvel, agora com a parceria da Rede de Streaming Hulu. Vamos a alguns comentários sobre os três episódios lançados.

Pra começar, deixo claro que, apesar de não suportar histórias com personagens Aborresc… adolescentes, Fugitivos me conquistou logo no primeiro volume dos Quadrinhos. Os personagens eram bacanas e a história interessante então  estava com a expectativa moderada para o seriado. E ainda me recuperando das feridas da Decepção que Justiceiro me provocou, fui assistir à adaptação.

Primeiramente devo dizer que há algumas mudanças em relação aos quadrinhos mas no geral, a história é a mesma: Um grupo de jovens descobrem sem querer querendo que seus Pais são membros de um Culto maligno doidão chamado Orgulho e agora, além de lidar com o fato, precisam fugir já que apesar de serem seus Pais, a galera do Orgulho não vai deixar que um bando de adolescente fruste seus planos(Sejam eles quais forem.)

Os Episódios

A série optou por mostrar um pouco mais do relacionamento entre os protagonista antes de efetivamente descobrirem a verdade sobre os Pais então o primeiro episódio começa meio lento, com um monte de coisa de Adolescente que eu, como um velho caquético não dou a mínima. Ainda assim, é feito de uma forma tão fluída que não chega efetivamente a incomodar. E talvez por eu gostar dos personagens, acabei curtindo saber um pouco mais sobre eles(Não espere muita profundidade ainda) .

No segundo episódio, temos um “Efeito Lost” onde em Flashback, vemos os eventos do episódio anterior agora sob a ótica dos Pais o que eu achei uma boa sacada já que nos Quadrinhos o Orgulho não é lá muito explorado e são apenas um bando de doidos dos mais diversos tipos.  Os dois episódios desembocam na cena em que os Jovens descobrem a verdade sobre os Pais.

O terceiro episódio traz as consequências dessa descoberta e os garotos tentando compreender e o que fazer com essa reviravolta que tiveram na vida.

Como eu falei, há algumas diferenças em relação aos quadrinhos mas nada muito relevante mas talvez a mais significativa seja no objetivo do Orgulho. Nos quadrinhos envolve sacrifício para deuses(Ou seja lá o que sejam) de uma dimensão paralela e loucuras do tipo. Aqui ainda não ficou muito claro mas pelo andar da carruagem, os sacrifícios são uma experiência científica na tentativa de criar um Soro genérico que envolve um velhote numa máquina de respiração… Mas esperarei mais episódios pra ter certeza.

Gostei bastante da interação entre os personagens. Ao mesmo em que há adaptações aqui e ali, o conceito geral está aqui no seriado. Há inclusive cenas tiradas diretamente dos quadrinhos.

Os atores também são bons… pelo menos os seis Jovens já que os Pais são meio que genéricos então…tanto faz.

No começo, o fato do Orgulho efetivamente não ter sacrificado a garota aleatória na Reunião me incomodou pois achei que quiseram dar uma aliviada e não tiveram coragem de mostrar um esfaqueamento numa série com adolescente mas conforme a história avança,  percebe-se que como não seguirão os quadrinhos à risca, essa mini trama ainda vai dar o que falar como podemos ver já no final do episódio 3.

A trilha sonora também está bem agradável. Nada que vá ficar marcada na história dos seriados mas ela combina com o clima da série.

No geral eu gostei desses três episódios. Temos bons personagens  e deu pra perceber  uma crescente no ritmo da série e ainda há coisas a se revelar mesmo se você já leu os quadrinhos.

 

Assim como venho fazendo com Ducktales, irei trazer semanalmente um post sobre o episódio da Semana aqui no Clarim. (Algo que pretendo ir aumentando cada vez mais por aqui)

Então fiquem com o trailer do seriado e até o próximo episódio.